Consultar: Faculdade de Ciências Médicas - FCM

Título [Principal]: Diagnostico sorologico da toxoplasmose
Título [Outro Idioma]: Serological Diagnosis of Toxoplasmosis
Autor(es): Fernanda Santos Nascimento
Palavras-chave [PT]:

Toxoplasmose , Testes imunologicos , IgA , IgM , IgG
Palavras-chave [EN]:
Toxoplasmosis , Immunologic tests ,
Área de concentração: Ciencias Biomedicas
Titulação: Mestre em Ciencias Medicas
Banca:
Claudio Lucio Rossi [Orientador]
Denise Araujo Lapa Pedreira
Helaine Maria Besteti Pires Mayer Milanez
Resumo:
Resumo: A toxoplasmose, uma zoonose com ampla distribuição mundial, causada pelo parasita intracelular obrigatório Toxoplasma gondii, é geralmente adquirida por meio da ingestão de cistos ou oocistos viáveis do parasita, presentes, respectivamente, em carne crua ou mal cozida e no solo, alimento ou água contaminados com fezes de gatos infectados. A toxoplasmose pode ser altamente debilitante, e ocasionalmente fatal, em crianças infectadas no útero e em receptores de transplante. O diagnóstico de infecção aguda primária em mulheres grávidas é geralmente baseado em testes sorológicos, visto que, na grande maioria dos casos, a toxoplasmose não é reconhecida clinicamente. A longa persistência dos anticorpos IgM em algumas pessoas e a dificuldade para demonstrar soroconversão ou aumento significativo da concentração de anticorpos específicos, têm complicado a interpretação dos testes sorológicos, quando se suspeita de infecção aguda. Com relação à infecção toxoplámica em pacientes transplantados, em muitos casos o status sorológico do doador não é conhecido e a pesquisa periódica de anticorpos anti-T. gondii no receptor raramente é realizada. O objetivo do primeiro estudo foi determinar o valor da demonstração dos anticorpos IgA anti-T.gondii para o diagnóstico da fase aguda da infecção toxoplásmica. Nossos resultados mostraram que os anticorpos IgA são detectados com alta freqüência em amostras de soros obtidas de mulheres com evidência clínica e/ou sorológica de infecção toxoplásmica aguda. Entretanto, em 19% das mulheres apresentando persistência de anticorpos IgM e alto índice de avidez dos anticorpos IgG, anticorpos IgA anti-T. gondii foram detectados em amostras de soros coletadas mais de 9 meses após o início da infecção, indicando que esses anticorpos não podem ser considerados marcadores confiáveis de infecção aguda primária. No segundo estudo, nós relatamos o diagnóstico de infecção toxoplásmica primária em um paciente com mieloma múltiplo submetido a transplante alogênico não-mieloablativo de células hematopoiéticas, provenientes de doador com sorologia negativa para toxoplasmose. A resposta primária contra o T. gondii foi baseada na soroconversão dos anticorpos IgM, IgG e IgA. O paciente foi prontamente tratado e nenhuma complicação relacionada à toxoplasmose foi observada nos meses subseqüentes. Esse caso ressalta a necessidade da detecção dos anticorpos anti-T. gondii no doador e no receptor antes do transplante e a importância do monitoramento sorológico do receptor durante o seguimento pós-transplante.

Abstract: Toxoplasmosis, a cosmopolitan zoonotic disease caused by the intracellular parasite Toxoplasma gondii, is usually acquired through the ingestion of viable parasite cysts or oocysts, present, respectively, in raw or undercooked meat and in soil, food or water contaminated with feces of infected cats. Toxoplasmosis can be highly debilitating and occasionally fatal in children infected in utero and in transplant recipients. The diagnosis of acute primary infection in pregnant women is usually based on serology, because in the great majority of cases primary infection is not recognized clinically. The sustained persistence, in some persons, of specific IgM antibodies and the difficulty in demonstrating seroconversion or a significant increase in specific antibody concentrations, have complicated the interpretation of serological tests when acute infection is suspected. With regard to toxoplasmic infection in transplant patients, in many cases the serological status of the donor is not known and the periodic research of anti-T. gondii antibodies in the receptor is rarely performed. In the first study, we investigated the usefulness of detecting anti-T. gondii IgA for the diagnosis of an acute acquired Toxoplasma infection. Our results showed that anti-T. gondii IgA antibodies are detected with a high frequency in serum samples obtained from women with clinical and/or serologic evidence of acute acquired Toxoplasma infection. However, in 19% of the women presenting a sustained IgM antibody response and a high IgG avidity index, anti-T. gondii IgA antibodies were detected in serum samples collected more than nine months after the beginning of infection, indicating that IgA cannot be considered a dependable marker for acute primary infection. In the second study, we report the diagnosis of a primary toxoplasmic infection in a patient with multiple myeloma following a non-myeloablative allogeneic transplant with hematopoietic stem cells from a donor with negative serology for toxoplasmosis. The primary response to T. gondii was supported by IgM, IgG and IgA seroconversion. The patient was promptly treated and there were no complications related to toxoplasmosis in the subsequent months. This case stresses the importance of detecting anti-T. gondii antibodies in the donor and in the recipient before transplantation, and of serologically monitoring the recipient during long-term follow-up.
Data de Defesa: 28-02-2008
Código: vtls000435114
Informações adicionais:
Idioma: Português
Data de Publicação: 2008
Local de Publicação: Campinas, SP
Orientador: Claudio Lucio Rossi
Instituição: Universidade Estadual de Campinas . Faculdade de Ciências Médicas
Nível: Dissertação (mestrado)
UNICAMP: Programa de Pós-Graduação em Ciências Médicas

Dono: admin
Criado: 05-09-2008 16:12
Visitas: 3348
Downloads: 46

ArquivoFormatoTamanhoTempo estimado para download
Nascimento, Fernanda Santos.pdfDocumento PDF1167 Kb(1195114 bytes)1 minuto(s) (Velocidade de conexão de 56 kb/s)Visualizar/Download