Consultar: Instituto de Estudos da Linguagem - IEL

Título [Principal]: A nasalidade em Mebengokre e Apinaye : o limite do vozeamento soante
Autor(es): Andres Pablo Salanova
Palavras-chave [PT]:

Lingua apinaye - Fonetica , Nasalidade (Fonetica) , Indios - Linguas
Palavras-chave [EN]:
Apinayé language, Mebengokre (Kayapó) language, Nasality (Phonetics), Indigenous languages - Brasil ,
Titulação: Mestre em Linguística
Banca:
Maria Bernadete Marques Abaurre Gnerre [Orientador]
Resumo:
Resumo: Esta tese tem uma dupla finalidade. Em primeiro lugar, ela se propõe a descrição dos sistemas fonológicos de duas línguas Jê setentrionais bastante próximas entre si: Mebengokre (língua das nações Xikrin e Kayapó) e Apinayé (língua da nação homônima). Em segundo, propõe-se a discutir de maneira critica a própria noção de sistema fonológico, mostrando como certos fatos que nos estudos descritivos são normalmente tratados como "processos fonológicos" divorciados do sistema (pensado às vezes como mero inventário), dizem respeito às oposições constitutivas do sistema fonológico. Para exemplificar estas idéias, nos detemos em certos processos que envolvem nasalidade e vozeamento nestas línguas. Uma das diferenças mais nítidas entre a fonologia do Mebengokre e a do Apinayé diz respeito ao comportamento das consoantes "nasais": no primeiro sistema, as consoantes nasais contrastam claramente com oclusivas sonoras. Em Apinayé, ao contrário, consoantes plenamente nasais e consoantes oclusivas sonoras com contornos nasalizados estão em distribuição complementar. Em um primeiro momento, argumentamos que representar as consoantes de contorno como tendo especificação de [nasal] nos leva a certos constrangimentos (a nasalidade teria, nestes segmentos, comportamento absolutamente "passivo", recuando inclusive diante de [-nasal], e por isso optamos por uma representação na qual a nasalidade pode ser um epifenômeno da implementação do vozeamento soante. Alguns fatos do Apinayé, no entanto, sugerem que, pelo menos os segmentos de coda não podem ser caracterizados simplesmente como "soantes não especificados para nasalidade": um destes fatos é a permanência de uma transição nasal breve entre segmentos orais após o desligamento de uma destas consoantes. Esta tese dá continuidade a algumas das reflexões colocadas por primeira vez em D'Angelis (1998) em relação a outras línguas do tronco Macro-Jê. A discussão sobre a noção de sistema fonológico se inspira no estruturalismo do Círculo Lingüístico de Praga; desenvolvimentos posteriores são pensados sempre à luz das intuições de Trubetzkoy (1939). Entre as reflexões mais recentes em tomo da representação das nasais, levamos em conta aqui principalmente os trabalhos de SteIiade (1993) e Piggott (1992)

Abstract: This thesis has a double purpose. In the first place, it endeavors to describe the phonological systems of two closely related Norther Jê languages: Mebengokre (the language of the Kayapó and Xikrin nations), and Apinayé (the language of the homonymous nation). In the second place, it intends to discuss ritically the notion of phonological system, showing the way in which certain facts that are normally treated in descriptive studies as "phonological processes", divorced from the system (which is often thought of as a mere inventory) , are directly relevant to the oppositions that constitute the phonological system. To exemplify these ideas, we devote our attention to certain processes that involve nasality and voicing in these two languages. Une of the clearest differences between the phonology of Mebengokre and Apinayé regards the behavior of so-called "nasal" consonants: in the first system, nasal consonants clearly contrast with voiced stops. In Apinayé, on the other hand, fully nasal consonants and voiced stops with nasalized contours are in complementary distribution. We argue initially that to represent the contour segments as being specified for the feature [nasal] leads us to an untenable situation: nasality would exhibit, in these segments, a completely passive behavior, retreating even next to [-nasal]; for this reason we opt for a representation in which. nasality could be thought of as an epiphenomenon of the implementation of sonorant voicing. Some facts of the Apinayé language nevertheless suggest that at least coda segments cannot be characterized simply as "sonorants unspecified for nasality": one of these facts is the permanence of a brief nasal transition between oral segments after the delinking of one of these coda consonants. This thesis takes up some ofthe points initially raised by D'Angelis (1998) in relation to other languages in the Macro-Jê stock. The discussion about the notion of phonological system is mainly inspired in the structuralist paradigm of the Prague Linguistic Circle; later developments are always put thought in the light ofTrubetzkoy's (1939) intuitions. Among the more recent reflections regarding the representation of nasals, we here take into account mainly the works of Steriade (1993) and Piggott (1992)
Data de Defesa: 11-06-2001
Código: vtls000266960
Informações adicionais:
Idioma: Português
Data de Publicação: 2001
Local de Publicação: Campinas, SP
Orientador: Maria Bernadete Marques Abaurre Gnerre
Instituição: Universidade Estadual de Campinas . Instituto de Estudos da Linguagem
Nível: Dissertação (mestrado)
UNICAMP: Programa de Pós-Graduação em Linguística

Dono: admin
Criado: 04-03-2008 10:45
Visitas: 3152
Downloads: 125

ArquivoFormatoTamanhoTempo estimado para download
Salanova, Andrés Pablo.pdfDocumento PDF6990 Kb(7157313 bytes)3 minuto(s) (Velocidade de conexão de 56 kb/s)Visualizar/Download