Consultar: Instituto de Estudos da Linguagem - IEL

Título [Principal]: A parafrase : uma atividade argumentativa
Autor(es): Nilsa Brito Ribeiro
Palavras-chave [PT]:

Textos , Parafrase , Discussões e debates
Titulação: Mestre em Linguistica
Banca:
Ingedore Grunfeld Villaça Koch [Orientador]
João Wanderley Geraldi
Jonas Araujo Romualdo
Resumo:
Resumo: O presente trabalho, ocupando-se de textos orais produzidos no interior da universidade, estabelece como objeto de estudo os mecanismos parafrásticos, considerados como atividades de reformulação textual que atuam decisivamente como estratégias argumentativas no fazer textual. Compreendendo que a ação argumentativa é resultado de um trabalho da interação entre os interlocutores, defende-se a posição de que os mecanismos parafrásticos, ao retomarem um jádito, não cumprem apenas a função de fixar sentidos. Nesse movimento, abrem-se sentidos, permitindo que o texto avance para uma dada direção, movido pela orientação argumentativa. Por essa via de compreensão, prevalece a defesa de que o processo de formulação textual não decorre da simples justaposição de enunciados. Os propósitos que movem os interlocutores é que determinam as escolhas de formulação e reformulação. É porque o locutor espera uma contrapalavra do outro, como defende Bakhtin, que ele decide reformular enunciados de um jeito e não de outro, orientando o interlocutor para as conclusões desejadas. Assim sendo, a organização textual não é gratuita, mas motivada por um querer-dizer, na visão bakhtiniana do termo. O falante tem um propósito a atingir, e seu discurso é planejado na interlocução, de maneira que os recursos expressivos se organizam coesivamente em direção a esse propósito. Assim defendemos que a paráfrase é uma atividade argumentativa Résumé: Ce travail, s'occupant de textes oraux produits à l'intérieur de l'université, établit comme son objet les mécanismes paraphrastiques consideres comme activité de reformulation textuelle. Comprenant que l'action argumentative est le résultat d'un travail d'interaction entre les interlocuteurs, les mécanismes paraphrastiques, comme on l'a dit, n' accomplissent pas seulement la fonction de fixer le senso Dans ce mouvement, des sens s'ouvrent, permettant au texte d' avancer dans une direction donnée, determineé par l' orientation argumentative. A partir d'une telle compréhension, on soutient que le processus de formulation textuel ne découle pas de la simple juxtaposition d'énoncés. Ce sont les projets des interlocuteurs défendant leur thêse qui déterminent les choix de formulation et reformulation. C'est parce que le locuteur atlend une réplique de l'autre, comme le soutient Bakhtine, qu'il décide de reformuler des énoncés d'une maniêre et non d' une autre, orientant l' interlocuteur vers les conclusions désirées. C' est ainsi que l' organisation textuelle n' est pas gratuite, mais motivée par un vouloir-dire, au sens bakhtinien du terme. Celui qui parle a un but à atleindre, et son discours est planifié dans l'interlocution, de maniêre à ce que les ressources expressives s'organisent avec cohérence en direction de ce but Ainsi, nons soutenons que la paraphraseest une activité argumentative
Data de Defesa: 05-12-2001
Código: vtls000236653
Informações adicionais:
Idioma: Português
Data de Publicação: 2001
Local de Publicação: Campinas, SP
Orientador: Ingedore Grunfeld Villaça Koch
Instituição: Universidade Estadual de Campinas . Instituto de Estudos da Linguagem
Nível: Dissertação (mestrado)
UNICAMP: Programa de Pós-Graduação em Linguística

Dono: admin
Criado: 04-03-2008 10:09
Visitas: 3185
Downloads: 139

ArquivoFormatoTamanhoTempo estimado para download
Ribeiro, Nilsa Brito.PDFDocumento PDF7533 Kb(7714256 bytes)4 minuto(s) (Velocidade de conexão de 56 kb/s)Visualizar/Download