Consultar: Faculdade de Ciências Médicas - FCM

Título [Principal]: Efeito de uma ação educativa sobre a conduta dos profissionais de saude da rede de atenção primaria em relação as doenças de transmissão sexual
Autor(es): Arlete Maria dos Santos Fernandes
Palavras-chave [PT]:

Doenças transmissiveis, Educação, Orientação sexual , Saude publica,
Área de concentração: Tocoginecologia
Titulação: Doutor em Tocoginecologia
Banca:
Luis Guillermo Bahamondes [Orientador]
Resumo:
Resumo: Apesar do conceito de “sexo seguro” ter sido amplamente divulgado durante a última década, temos notado em nossos serviços muitas complicações e seqüelas das Doenças de Transmissão Sexual (DST), especialmente durante o período de vida reprodutivo. Além disso, nos últimos anos, tem sido observado no Brasil uma elevação na prevalência da infecção pelo vírus da imunodeficiência humana (HIV) entre mulheres. Em vista disso, buscamos estudar o efeito de uma ação educativa voltada aos profissionais de saúde que prestam atenção ginecológica e obstétrica na rede primária de saúde, sobre suas opiniões e atitudes com relação às DST, bem como determinar os conhecimentos, atitudes e práticas de prevenção da população de mulheres, por eles atendida. A intervenção teve o objetivo de sensibilizar os profissionais quanto ao quadro atual das DST/AIDS e, particularmente, estimulá-los ao diálogo durante a consulta, para que dessem às mulheres orientações sobre os riscos e as medidas de prevenção. Participaram do estudo seis Centros de Saúde da rede municipal de Campinas. Médicos, enfermeiras e uma amostra de mulheres foram entrevistados, e os prontuários das mulheres consultadas foram levantados para determinar a freqüência de diagnósticos relacionados às DST. Os resultados mostraram que, apesar de um quarto dos diagnósticos realizados estarem relacionados às DST, a intervenção não foi eficaz para promover mudança significativa no comportamento dos profissionais de saúde, não houve mudança no conhecimento, atitudes e práticas das mulheres após a intervenção, entretanto, diminuíram significativamente os diagnósticos de tricomoníase, monilíase e leucorréia com sinais inflamatórios, e aumentaram os diagnósticos de HPV e HSV-2. Apesar da maioria das mulheres referir informação através da televisão (87,6%), a qualidade dessa informação foi pobre no sentido de sensibilizá-las do risco das DST; por outro lado, a confiança no médico foi explícita por praticamente a totalidade das mulheres. O uso do condom foi referido por apenas 10% das mulheres independente da faixa de idade, e por 14,5% das adolescentes, enquanto o uso consistente foi referido por 7,6% e 8% respectivamente. Concluímos que as mulheres não se sentem vulneráveis a contrair DST/AIDS, logo não optam pelo uso do condom, e, quando o utilizam, a intenção é a contracepção. Devemos implementar a adoção do diálogo informativo a respeito das DST/AIDS, ainda nos profissionais em formação, para que possam melhorar a identificação das mulheres expostas através da história clínica, desenvolvam a habilidade em falar aberta e claramente acerca dos comportamentos de risco, e estejam preparados para dar esclarecimento sobre as complicações futuras das DST e as medidas de prevenção possíveis. É aconselhável que se implementem novos programas e intervenções, voltados aos profissionais de saúde que já atendem na rede primária de saúde, em ações conjuntas com a Secretaria de Saúde, visando melhorar a qualidade da atenção prestada com relação ao controle das DST. Deve-se inovar a forma e a qualidade das informações, de modo a que haja maior aderência da população às práticas do comportamento sexual seguro.

Abstract: The concept of “safe sex” has been widely spread during the past decade. However, many complications and sequels of the Sexually Transmitted Diseases (STD) are observed in our services, especially during reproductive life. In the last years, an increase in the prevalence of infection by the human immunodeficiency virus (HIV) among Brazilian women has been observed. This intervention study was constituted by an instructive action towards the health professionals that deal with gynecologic and obstetric care at the primary healthcare system, by analyzing their opinions and attitudes regarding STD, as well as determining knowledge, attitudes and practices of prevention by the population of women assisted by them. The intervention had the objective of touching the professionals as to the present situation of STD/AIDS, and, especially, stimulating them to a dialogue during the visits in order to instruct the women about the risks and the prevention methods. Six Primary Care Units in a public health sector of Campinas were chosen for the intervention. Doctors, nurses, and a sample of the women assisted by them were interviewed, and the records of all the women assisted during the research were analyzed in order to determine the frequency of STD related diagnoses. The results showed that, despite a forth of the diagnoses having been related to STD, the intervention was not effective in encouraging significant changes in the behavior of the health professionals. No changes were observed as to the knowledge, attitude and practices of the women after the intervention, however, there was a significant decrease in the diagnoses of trichomoniasis, moniliasis and leukorrhea with inflammatory signs, and an increase in the HPV and HSV-2 diagnoses. Even though the majority of the women referred to TV information (87.6%), the quality of such information was poor as to sensitizing the women to their risk of exposure to STD. On the other hand, their confidence in the physicians was explicit by practically all of them. The use of condom was referred by only 10% of the women regardless of age, and by 14.5% of the teenagers, while its consistent use was referred by 7.6% and 8% respectively. We concluded that women do not feel vulnerable to contract STD/AIDS and therefore, they do not opt for the use of condom for this reason, but as a contraceptive. We should implement the adoption of the instructive dialogue on STD/AIDS for the professionals still to be, so they can improve the identification of exposed women through clinical history, develop the ability of talking openly and clearly about risk behavior, and be prepared to provide explanation about future complications of STD and the possible prevention methods. The implementation of new programs and interventions towards the health professional working in the primary healthcare system acting together with the Health Bureau is advisable. This would aim to improve the quality of healthcare attention related to the STD control. The kind and quality of information should be innovated for a better adherence to the practices of safe sex behavior by the population.
Data de Defesa: 22-09-1999
Código: vtls000184150
Informações adicionais:
Idioma: Português
Data de Publicação: 1999
Local de Publicação: Campinas, SP
Orientador: Luis Guillermo Bahamondes
Instituição: Universidade Estadual de Campinas. Faculdade de Ciencias Medicas
Nível: Tese (doutorado)
UNICAMP: Programa de Pós-Graduação em Tocoginecologia

Dono: admin
Criado: 14-02-2003 08:07
Visitas: 8278
Downloads: 959

ArquivoFormatoTamanhoTempo estimado para download
Fernandes, Arlete Maria dos Santos.pdfDocumento PDF293 Kb(300413 bytes)1 minuto(s) (Velocidade de conexão de 56 kb/s)Visualizar/Download