Consultar: Estudos da Linguagem - IEL

Título [PT]: “O Verbo feito tweet”, o esvaziamento do significante e o status ontológico da linguagem na contemporaneidade
Autor(es): Sarah Valle Camargo
Palavras-chave [PT]:

Twitter, Hiper-realidade, Negatividade da linguagem, Esvaziamento do significante, Haikai, Verbum, Nietzsche, Tecnologias digitais
Palavras-chave [EN]:
Twitter, Hiper-reality, Negativity of language, Emptying of the signifier, Haikai, Verbum, Nietzsche, Digital technologies
Titulação: Licenciada em Letras – Português
Banca:
Inês Signorini [Orientador]
Resumo:
Resumo: Este trabalho delineia para a linguagem verbal na contemporaneidade um “esvaziamento do significante” e sua possibilidade de transgressão, a partir da observação dos tweets, enunciados virtuais do servidor de microblogging Twitter. Emprestando a expressão “esvaziamento do significante” de Roland Barthes, cria o caminho pelo qual a palavra ocidental, o Verbum (eco do Verbum divino) “esvazia-se” em sua relação à referência, ao real, à verdade, a “Deus”, aos conceitos universais, ao sentido, à centralidade, à temporalidade e ao “peso” do texto, em direção aos ecrãs digitais, nos quais mostra uma nova existência, “pós morte de Deus” (Nietzsche), junto à existência niilista do homem. Esta existência da linguagem verbal, tomada por niilismo, à semelhança do “último homem” e do “homem que quer morrer” (conceitos de Nietzsche), necessitaria “superar-se” (em seus limites líquidos), “transgredir-se”, constantemente, através da afirmação da vida, da linguagem e da escolha dos sentidos, desfeita de idealismos. Em movimento, no ambiente virtual, “desencarnada” do Verbum divino e de qualquer revelação, ela reencontra o devir, sob uma nova forma, e o exercita, no caso dos tweets, através da representação do cotidiano, do “real”. Diluída junto aos líquidos no fim da modernidade (Zygmunt Bauman), integra a dança de valores simulacros e da hiper-realidade (Jean Baudrillard), “encarnada” em bits no tempo real. Apresenta niilismo na inércia da duplicação de imagens da vida, ao passo que cria o “real” (seu poder) e novas formas de trocas simbólicas virtuais. Esta linguagem verbal permite ao ser do homem abrir-se (Dasein, de Heidegger) na negatividade do ser da linguagem (como aborda Giorgio Agamben). Visa-se identificar seu momento autoral que fuja à simulação da palavra, à sua cacofonia, à superprodução de discurso das redes, em direção à atitude afirmativa (“afirmação da vida em seu eterno retorno”, de Nietzsche), com a postura de responsabilidade pelas formas da linguagem (Roland Barthes) em meio à pluralidade de devires e técnicas.

Abstract: On the basis of tweet observation (tweet : virtual statements in the microblogging server Twitter), this work delineates an "emptying of the signifier" for the contemporary verbal language, and its possibility of transgression. It creates - whilst borrowing from Roland Barthes the expression "emptying of the signifier" - the path through which western word, the Verbum (echo of the divine Verbum) "gets emptied" in its relation to the reference, the real, the truth; to "God", to universal concepts, to the sense, the centrality, the temporality and to the text's "weight"; all towards digital screens, on which it presents a new existence, "after death of God" (Nietzsche), together in man's nihilist existence. This verbal language existence, taken by nihilism, in ressemblance to the "last man" and the "man who wants to die" (Nietzsche's concepts), would need to "overcome itself" (in its liquid limits), to "transgress itself" constantly throughout the affirmation of life, language and the senses' choice, deprived from idealisms. In motion, in the virtual environment, "discarnated" from the divine Verbum and whatsoever revelation, again she meets the becoming under some new form, and executes it, in the case of tweets, through representation of daily-life, of the "real". Altogether diluted with the liquids of modernity's end (Zygmunt Bauman), she integrates the dance of simulacra values and of hyper-reality (Jean Baudrillard), "incarnated" in real time bits. In the inertia of life-images' duplication she presents a nihilism, inasmuch as she creates the "real" (her power) and new forms of virtual symbolic trades. This verbal language allows the opening of man's being (Heidegger's Dasein) in the negativity of the language's being (as depicted by Giorgio Agamben). She intends to identify her authors' moment escaping from simulation of word, from its cacophony and superproduction of network discourse, in regard to the affirmative attitude ("life's affirmation in its eternal return", by Nietzsche), with the pose of responsability for the language forms (Roland Barthes), among pluralities of becomings and techniques.
Data de Defesa: 2012
Código: 53337

Dono: admin
Criado: 07-01-2013 10:44
Visitas: 881
Downloads: 1545

ArquivoFormatoTamanhoTempo estimado para download
Camargo, Sarah Valle.pdfDocumento PDF1153 Kb(1180465 bytes)1 minuto(s) (Velocidade de conexão de 56 kb/s)Visualizar/Download