Consultar: Faculdade de Educação - FE

Titulo Principal: Alfabetização e o olhar do educador na formação
Autor(es):

Viviane Lugatto Ramos dos Santos
Palavras-chave [PT]:
Trabalho de conclusão de curso, Memorial, Experiência de vida, Prática docente, Formação de professores.
Área de concentração: Programa Especial de Formação de Professores em Exercício
Titulação: Licenciatura em Pedagogia
Resumo:
Falar sobre minha trajetória é algo que me traz muita satisfação. Estar cursando Pedagogia na UNICAMP é um ícone em minha vida. Quem diria que aquela garota que entrou para escola aos sete anos para cursar a pré-escola, no mesmo lugar onde pais, tios e tias estudaram, escola esta em que muitos pais gostariam que seus filhos estudassem, seu nome é Escola Municipal de Ensino Fundamental Eurico Gaspar Dutra. Sempre gostei muito desta escola, apesar de ser muito rígida, em termos de disciplina, eu sentia prazer em estar entre os alunos dela. Nesta escola fui alfabetizada, já na pré-escola. Minha professora chamava-se Sônia e era bastante exigente; não trago lembranças de brincadeiras em sala de aula, mesmo sendo na Educação Infantil, recordo-me de manusear muitas letras móveis, fichas, etc. Brincadeiras somente no pátio da escola, espaço que era bem grande e com muitos jogos. Usávamos dois cadernos, um quadriculado que era mais destinado às atividades de matemática e o outro de linhas verdes onde escrevia o cabeçalho, alfabeto e palavras. Fazíamos bastante atividades em folha como: colorir, ligar pontos, recorte de revistas, entre outras atividades; desta forma fui alfabetizada e quando entrei na primeira série já não tinha dificuldades em realizar as tarefas pedidas. Recordo-me que usávamos livros consumíveis comprados pelos pais e uma cartilha. Não me lembro em ter dificuldades em provas, trabalhos e/ou atividades realizadas; a escola seguia uma linha bem tradicional. Somente uma atividade me aterrorizava; era um caderno brochura, onde a professora Olga – da segunda série – colava uma figura e às sextas-feiras tínhamos que fazer um texto sobre a figura; eu não gostava muito de escrever, principalmente quando ela colocou no meu caderno a figura de um dragão, não fiz o texto, no dia seguinte seria cobrado, era tanto medo que, no dia, fiz xixi na roupa, por medo da professora me castigar de alguma forma. Nos anos seguintes foram bem tranqüilos, a partir da 3ª série tínhamos uma professora para cada matéria. Enfim, no ginásio, adorei chegar até lá, tanto que fiz a quinta série três vezes, explicarei isto melhor adiante. Em 1992, mudei-me para Hortolândia onde cursei duas vezes a 6ª série. Concluindo o ensino fundamental, prestei vestibulinho e passei para o curso de contabilidade. Meu marido não aceitou por ter que estudar à noite, então fiz a opção - na hora - pelo magistério, apesar de serem quatro anos, período da manhã e uma única turma. Tive algumas influências na opção, pois duas tias eram professoras na época, eu adorava vê-las corrigindo provas e assistir aos vídeos de comemorações gravados na escola onde trabalhavam. Essa influência foi bem forte, pois pensei também no fato de ser casada, ter uma filha de 3 anos e seria uma profissão que iria trabalhar de quatro a cinco horas por dia. Esta idéia de ter tempo para família, ser dona-de-casa e profissional, lembra a história de que o magistério foi, durante muito tempo, uma profissão quase que exclusivamente feminina por garantir este tempo para os afazeres domésticos, marcando bastante o papel da mulher na sociedade. Mas não imaginava o quanto me apaixonaria por esta profissão, da qual me orgulho tanto. Formei-me em 1999 e iniciei no magistério da Prefeitura de Hortolândia em 2002, em uma segunda série, em que somente doze alunos eram alfabetizados, adorei a experiência e osobjetivos foram alcançados. Neste período, como professora alfabetizadora, busquei trabalhar com materiais os mais diversos possíveis, brincadeiras, jogos, atividades coletivas, textos criados pelos alunos, pois acreditava que apenas os livros didáticos, as atividades mimeografadas e atividades prontas não interessariam tanto as crianças, acreditava realmente que o processo de ensinoaprendizagem deveria ser prazeroso às crianças e que através das interações com as atividades, com seus pares e comigo, mostrariam quais caminhos seriam mais viáveis ao desenvolvimento delas, tanto que, ao final do ano, todas as crianças haviam progredido na alfabetização, restando apenas duas crianças que não liam e escreviam com fluência, porém estavam prestes a alcançar tal objetivo. No ano seguinte trabalhei com uma primeira série, aí sim me senti uma professora alfabetizadora, era uma sala quase homogênea, apenas sete eram alfabetizados. Resgatei parte das dinâmicas que minha professora da pré-escola utilizava, como fichas, dados, cartazes, etc.; claro que de uma maneira mais descontraída, através de brincadeiras, jogos, bingos, de forma bastante lúdica. Estou, agora, no ensino infantil, pelo qual me apaixonei em todos os sentidos, pelas crianças, equipe e dinâmica de trabalho. Mas escolhi dar ênfase à alfabetização, pois minha trajetória como professora alfabetizadora foi de grande valia e aprendizado durante esses dois anos, também participei do curso PROFA, que ofereceu um embasamento e enfoque direcionado para uma alfabetização no qual o prazer em aprender está acima de qualquer outro, isto por nos mostrar, assim como deve ser feito com a criança, que existe sentido naquilo que aprendemos e que novos significados são construídos a partir das situações nas quais estamos envolvidos. É exatamente neste entroncamento da Educação Infantil com as séries iniciais do Ensino Fundamental que se firma meu interesse pela alfabetização e pelo processo de aquisição/domínio da leitura e da escrita, acrescentando que durante a formação, não apenas nas aulas de Teoria Pedagógica e Produção em Língua Portuguesa e Pedagogia da Educação Infantil, mas em todas as outras que fomentassem alguma discussão sobre o assunto, buscava encontrar e ler as referências dadas pelos professores, fundamentação teórica que se distribui no decorrer deste trabalho.
Descrição:
Memorial apresentado ao Curso de Pedagogia – Programa Especial de
Formação de Professores em Exercício nos Municípios da Região Metropolitana de Campinas, da Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas, como um dos pré-requisitos para conclusão da Licenciatura em Pedagogia.
Código: 41271
Informações adicionais:
Formandos 2008 - Turma F
CDD - 370.92

Dono: admin
Criado: 01-09-2010 15:03
Visitas: 1035
Downloads: 454

ArquivoFormatoTamanhoTempo estimado para download
Santos_VivianeLugattoRamosdos_TCC.pdfDocumento PDF947 Kb(969483 bytes)1 minuto(s) (Velocidade de conexão de 56 kb/s)Visualizar/Download