Consultar: Estudos da Linguagem - IEL

Título [PT]: Por uma economia do ventre livre: ressignificação do útero como elemento poético em Sangria, de Luiza Romão
Autor(es): Lucas Zanellato Michelani
Palavras-chave [PT]:

Poesia contemporânea, Útero, Economia, Apoderamento, Sangria, Luiza Romão
Palavras-chave [EN]:
Contemporary poetry, Womb, Reappropriation, Sangria, Luiza Romão
Titulação: Bacharel em Estudos Literários
Banca:
Marcos Antonio Siscar [Orientador]
Resumo:
Resumo: Sangria é o segundo livro de poemas da poeta, atriz e slammer Luiza Romão. Dividido em 28 partes assim como os 28 dias de um calendário menstrual, os poemas revisitam o passado brasileiro, desde os tempos de sua colonização, até o golpe institucional que tirou a presidenta eleita Dilma Rousseff de seu cargo. O que está em jogo na obra são as relações que se dão entre a voz lírica e agentes opressores historicamente identificados. O presente trabalho tem como intuito identificar a ressignificação dessas relações e, em especial, da relação dessa voz consigo mesma, a partir do útero, como elemento poético catalisador dessa economia, tornando possível o apoderamento do próprio corpo pela enunciadora. A pesquisa utiliza-se de embasamento teórico primário o conceito de oikonomia, estudado pelo filósofo italiano Giorgio Agamben, para explicar a práxis das relações tensionadas ao longo dos poemas. Além disso, também se utilizam os estudos da professora da URFJ Luciana di Leone, especialmente a pesquisa recente sobre economia materna, pautada nas pesquisas de Agamben, sobre as relações entre mãe e filho na poesia latinoamericana, que procuram rechaçar o modo de enunciação linguístico, patriarcal e nacional. A partir disso o presente texto propõe uma nova economia, uma relação existente entre o eu lírico feminino e o próprio corpo, tornando-se o útero elemento fundamental para que esse apoderamento, essa retomada de algo negado e distanciado, seja possível.

Abstract: Sangria is the second book of poems from the poet, actress and slammer Luiza Romão. Divided into 28 parts representing the 28 days of a menstrual cycle, the poems revisit the Brazilian past, from the days of colonization to the institutional coup d’etat, which removed the elected president Dilma Rousseff from power. What is at stake in the book are the relationships between the poetic self and some historically identified opressors. This paper intends to identify the redefinition of those relationships, in particular the one between the poetic self with itself. Also identify the womb as an emphasis, as the poetic element that can catalyze this relationship in order to get back its own body. This research uses the idea of oikonomia, from the Italian philosopher Giorgio Agamben, as its primary basis to explain the praxis of those relationships throughout the poems. In addition, this research uses recent studies about maternal economy by Professor Luciana di Leone of UFRJ, based on Agamben’s research, about the relationship between mother and son in Latin-American poetry, which seems to refuse a linguistic, patriarchal and national mode of enunciation. From here onward this paper proposes a new economy, a relationship between the feminine poetic self and its own body, where the womb becomes the fundamental element for this reappropriation, long ago forbidden and denied, to be possible
Data de Defesa: 2018
Código: 109243

Dono: iel_ar
Criado: 07-11-2019 16:30
Visitas: 52
Downloads: 61

ArquivoFormatoTamanhoTempo estimado para download
Michelani, Lucas Zanellato.pdfDocumento PDF312 Kb(319529 bytes)1 minuto(s) (Velocidade de conexão de 56 kb/s)Visualizar/Download