Consultar: Faculdade de Ciências Médicas - FCM

Título [Principal]: Prevalência de pólipos endometriais pré-malignos e malignos em mulheres na pré e na pós-menopausa e fatores clínicos, ultrassonográficos e histeroscópicos associados à malignidade
Título [Outro Idioma]: Prevalence of premalignant and malignant endometrial polyps in premenopausal and postmenopausal women and clinical, sonographic and hysteroscopic factors associated with malignancy
Autor(es): Carlos Eduardo de Godoy Junior
Palavras-chave [PT]:

Fatores de risco , Ultrassonografia , Histeroscopia
Palavras-chave [EN]:
Risk factors , Ultrasonography , Hysteroscopy ,
Área de concentração: Fisiopatologia Ginecológica
Titulação: Mestre em Ciências da Saúde
Banca:
Lúcia Helena Simões Costa Paiva [Orientador]
Luís Otávio Zanatta Sarian
José Maria Soares Júnior
Resumo:
Resumo:Introdução: Os pólipos endometriais são achados freqüentes em mulheres durante a investigação de sangramento uterino anormal ou sangramento pósmenopausa. Apesar da baixa malignidade associada aos pólipos, a ressecção histeroscópica das lesões é conduta de rotina, levando diversas pacientes portadoras de lesões benignas à realização de tratamentos cirúrgicos. A partir disso, surge a necessidade de identificar fatores de risco para malignidade e métodos propedêuticos que tornem a indicação cirúrgica mais criteriosa. Objetivos: Avaliar a prevalência de pólipos endometriais pré-malignos e malignos em mulheres na pré e na pós-menopausa e fatores clínicos, ultrassonográficos e histeroscópicos associados à malignidade. Sujeitos e Métodos: Foram selecionadas mulheres submetidas a ressecção histeroscópica de pólipos endometriais de janeiro de 1998 a dezembro de 2008, utilizando-se a base de dados informatizada do Hospital da Mulher Prof. Dr. José Aristodemo Pinotti - CAISM/UNICAMP. Foram incluídas 870 mulheres, com idades entre 25 e 85 anos, agrupadas em pré-menopausa ou pós-menopausa. Os dados clínicos, ultrassonográficos, histeroscópicos e histológicos foram obtidos através da revisão dos prontuários médicos. As variáveis clínicas avaliadas foram idade, sangramento pós-menopausa, tempo de menopausa, paridade, hipertensão arterial, obesidade, diabetes mellitus, uso de terapia hormonal e uso de tamoxifeno. Os pólipos foram classificados em benignos (pólipos endometriais, pólipos com hiperplasia simples ou complexa sem atipias), pré-malignos (pólipos com hiperplasia simples ou complexa com atipias) e pólipos malignos. Resultados: A média etária foi de 57,5 anos (+ 10,6), sendo que 76,4% encontravam-se na pós-menopausa. Foram diagnosticadas 95,8% de lesões benignas. Pólipos pré-malignos foram 1,6% dos casos. Pólipos malignos representaram 2,5% do total da amostra. O sangramento pós-menopausa e a idade avançada foram os únicos fatores clínicos associados ao maior risco de malignidade com RP de 3,67 (IC95% 1,69 - 7,97) e RP de 1,05 (IC95% 1,01 - 1,09), respectivamente. A avaliação ultrassonográfica da linha endometrial revelou maior espessura média nos pólipos malignos. Na histeroscopia cirúrgica, os maiores pólipos ressecados foram aqueles com hiperplasia complexa sem atipias, seguidos pelos pólipos carcinomatosos e pólipos com hiperplasia complexa com atipias. A medida ultrassonográfica da espessura endometrial de 13mm mostrou uma acurácia de 68,6% para o diagnóstico de malignidade, com sensibilidade de 69.6%, especificidade de 68,5%, VPP de 9,3% e VPN de 98%. Os pólipos de 30mm medidos pela histeroscopia mostraram uma acurácia de 65,3% para o diagnóstico de malignidade com sensibilidade de 47,8%, especificidade de 66,1%, VPP de 6,1% e VPN de 96,5%. Conclusões: A prevalência de malignidade nos pólipos endometriais foi baixa e esteve associada ao sangramento pós-menopausa e maior idade. A espessura endometrial à ultrassonografia e o tamanho dos pólipos endometrias à histeroscopia tiveram baixa acurácia para predizer malignidade nos pólipos endometriais

Abstract: Introduction: Endometrial polyps are frequent findings in women during investigation of abnormal uterine bleeding or postmenopausal bleeding. Despite the low malignancy rate associated with polyps, hysteroscopic resection of the lesions is routine practice, leading to surgical treatment in various patients with benign lesions. Therefore, there is a need to identify risk factors for malignancy and propaedeutic methods that can permit a more judicious indication for surgery. Objectives: To evaluate the prevalence of premalignant and malignant endometrial polyps in premenopausal and postmenopausal women, as well as clinical, ultrasound and hysteroscopic factors associated with malignancy. Subjects and Methods: Women undergoing hysteroscopic resection of endometrial polyps from January 1998 to December 2008 were selected, using a computerized database from the Prof. Dr. José Aristodemo Pinotti Women's Hospital- CAISM/UNICAMP. Eight hundred and seventy (870) women, aged between 25 and 85 years, grouped into premenopausal or postmenopausal were included in the study. Clinical, ultrasound, hysteroscopic and histologic data were obtained by medical chart review. The clinical variables evaluated were age, postmenopausal bleeding, time since menopause, parity, arterial hypertension, obesity, diabetes mellitus, hormonal therapy use and tamoxifen use. Polyps were classified as benign (endometrial polyps, polyps with non-atypical simple or complex hyperplasia), premalignant (polyps with atypical simple or complex hyperplasia) and malignant polyps. Results: The mean age of the patients was 57.5 years (+ 10.6), and 76.4% of these women were postmenopausal. Benign lesions were diagnosed in 95.8% of the patients. Premalignant polyps represented 1.6% of the cases. Malignant polyps accounted for 2.5% of the total sample. Postmenopausal bleeding and advanced age were the only clinical factors associated with a higher risk of malignancy with RP of 3.67 (95%CI 1.69 - 7.97) and RP of 1.05 (95%CI 1.01 - 1.09), respectively. Ultrasound evaluation of the endometrial thickness revealed that malignant polyps had a greater median thickness. On surgical hysteroscopy, the largest resected polyps were those with complex non-atypical hyperplasia, followed by carcinomatous polyps and polyps with atypical complex hyperplasia. A sonographically measured endometrial thickness of 13mm showed a diagnostic accuracy of 68.6% for malignancy, with a sensitivity of 69.6%, a specificity of 68.5%, PPV of 9.3% and NPV of 98%. Polyps of 30mm measured by hysteroscopy showed a diagnostic accuracy of 65.3% for malignancy with a sensitivity of 47.8%, a specificity of 66.1%, a VPP of 6.1% and a VPN of 96.5%. Conclusions: There was a low prevalence of malignancy in endometrial polyps that was associated with postmenopausal bleeding and more advanced age. Endometrial thickening on ultrasound evaluation and endometrial polyp size on hysteroscopy is able to predict malignancy in endometrial polyps with a low level of accuracy
Data de Defesa: 23-02-2011
Código: 000786582
Informações adicionais:
Idioma: Português
Data de Publicação: 2011
Local de Publicação: Campinas, SP
Orientador: Lúcia Helena Simões Costa Paiva
Instituição: Universidade Estadual de Campinas . Faculdade de Ciências Médicas
Nível: Dissertação (mestrado)
UNICAMP: Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde

Dono: ti_me
Criado: 19-05-2011 12:05
Visitas: 2216
Downloads: 27

ArquivoFormatoTamanhoTempo estimado para download
Godoy Junior, Carlos Eduardo de_M.PDFDocumento PDF3154 Kb(3229802 bytes)2 minuto(s) (Velocidade de conexão de 56 kb/s)Visualizar/Download