Consultar: Faculdade de Odontologia - FOP

Título [Principal]: Limiar convulsivo, em ratos, apos administração de p-clorofenilalanina e apos lesão eletrolitica de nucleos da rafe
Autor(es): Sonia Maria Bourg
Palavras-chave [PT]:

Farmacologia
Área de concentração: Neurofarmacologia
Titulação: Doutor em Ciências
Banca:
Antonio Carlos Neder [Orientador]
Resumo:
Resumo: Em 153 ratos adultos (WISTAR), machos, estudamos o efeito evolutivo da destruição eletrolltica de núcleos da rafe e da administração de p-clorofenilalanina / (300 mg/kg) sobre o limiar convulsivo ao cardiazol e ã estricnina. Consideramos limiar convulsivo a quantidade / de droga por kg de animal necessária para provocar o aparea cimento de potenciais típicos captados no tronco cerebral (estricnina) e no córtex cerebral (cardiazol). Nos animais que receberam p-clorofenilalanina (pCPA) determinamos o limiar convulsivo 24, 48, 96 e 192 horas após administração da droga, e nos que sofreram lesão, no 39, 59 e 79 dias após a mesma. O limiar convulsivo foi ainda determinado em um grupo de animais sem tratamento prévio (Grupo Controle) e em outro no qual efetuamos lesão eletrolltica simulada (Grupo com Lesão Fictícia). Anotamos a ocorrência ou não de estereotipias comportamentais relativas à postura, marcha, exploração do ambiente e resposta à estimulação ambiental. A extensão da lesão eletrolltica / foi avaliada por exame histológico. Após análise dos resultados, verificamos: 1- o limiar convulsivo ao cardiazol, após tratamento / com pCPA, diminuiu significativamente, em relação ao controle, em todos os momentos estudados; 2- o limiar convulsivo ã estricnina, após tratamento / com pCPA, diminuiu significativamente, em relação ao controle, apenas no momento 96 horas; 3- houve regressão significativa entre os valores de limiar convulsivo à estricnina e ao cardiazol e os diferentes tempos após administração de pCPA; 4- houve diferença entre o comportamento evolutivo do limiar convulsivo na dependência do agente convulsivante/ empregado; 5- o exame histológico do cérebro dos animais submeti dos a lesão eletrolítica mostrou extensão de área lesada/compatível com destruição dos núcleos dorsal e mediano da rafe. As lesões estenderam-se tanto no sentido crânio-cau dal quanto lateral, comprometendo estruturas vizinhas aos núcleos dorsal e mediano da rafe; 6- o limiar convulsivo ao cardiazol, após lesão fictí cia, não se alterou significativamente. O limiar à estrienina diminuiu significativamente no 39 dia após lesão; 7- o limiar convulsivo ao cardiazol diminuiu no 39 e 59 dias após a lesão eletrolítica dos núcleos dorsal e me diano da rafe, normalizando-se no 79 dia; 8- o limiar convulsivo ã estricnina aumentou significativamente no 39 dia após a lesão eletrolítica dos nú cleos dorsal e mediano da rafe, normalizando-se a partir do 59 dia; 9- apenas os animais submetidos a lesão eletrolítica apresentaram estereotipias comportamentais. Estas estéreo tipias, semelhantes ãs descritas na literatura como decor rentes do aumento dos níveis de catecoIaminas cerebrais , oorreram a partir do 39 dia após a lesão, desaparecendo / no 79 dia

Abstract: Not informed
Data de Defesa: 1975
Código: 000280416
Informações adicionais:
Idioma: Português
Data de Publicação: 1975
Local de Publicação: Piracicaba, SP
Orientador: Antonio Carlos Neder, Armando Otavio Ramos
Instituição: Universidade Estadual de Campinas. Faculdade de Odontologia de Piracicaba
Nível: Tese (doutorado)
UNICAMP: Programa de Pós-Graduação em Ciências

Dono: admin
Criado: 02-09-2010 17:55
Visitas: 762
Downloads: 4

ArquivoFormatoTamanhoTempo estimado para download
Bourg, Sonia Maria_D.pdfDocumento PDF2802 Kb(2868936 bytes)2 minuto(s) (Velocidade de conexão de 56 kb/s)Visualizar/Download